CFCH - Centro de Filosofia e Ciências Humanas

>> DESTAQUES

Migrações e refúgio: uma abordagem histórica

No último dia 20, aconteceu a mesa “Migrações e Refúgio em perspectiva histórica I”,  mais um evento da série “Quartas em movimento”, parte integrante da curadoria “Migrações e refúgio: presença, história e desafios no Rio de janeiro”, organizado pelo Espaço Memória Arte e Sociedade Jessie Jane Vieira de Souza. O evento contou com os palestrantes Beatriz Kuschnir, do Arquivo Público da Cidade; Vitor Manoel Fonseca, do Arquivo Nacional; e o pesquisador Guilherme dos Santos Cavotti Marques.

A mesa debateu a importância da história dos imigrantes e do acesso aos acervos que explicam a origem dos imigrantes e o que eles fazem no estado do Rio de Janeiro. Beatriz comentou que “os arquivos do acervo podem contribuir para traçar a trajetória dos imigrantes na cidade”. Para Vitor Manoel “é importante pensar em como a documentação da chegada dos imigrantes auxilia na construção da história, tanto do país, como na história do próprio refugiado, com informações do seu país de origem, em que em que data e o local chegou ou partiu”. O pesquisador lançou o livro "No gozo dos direitos civis: associativismo no Rio de Janeiro, 1903 - 1916" e presenteou o acervo do Espaço Memória, Arte e Sociedade Jessie Jane Vieira de Souza com um exemplar.

Guilherme dos Santos, historiador e pesquisador da Ilha das Flores, local que recepcionou grande número de imigrantes durante a Segunda Guerra Mundial, falou sobre a importância de questionar os fatores de expulsão dos migrantes europeus que chegaram à ilha das Flores. “Entre eles, podemos apontar o capitalismo em seu desenvolvimento, o aumento da população e a depressão agrícola. Esses são fatores que nos levam a pensar o início dos imigrantes que chegavam à hospedaria”, disse. “Pensar no tema em perspectiva histórica traz uma reflexão sobre nossas práticas atuais”, concluiu.

 

*Bolsistas do Projeto Espaço Memória, Arte e Sociedade Jessie Jane Vieira de Souza, da Decania do CFCH.

Foto: Decania do CFCH.

Compartilhe este conteúdo