CFCH - Centro de Filosofia e Ciências Humanas

>> DESTAQUES

Chapa 1 é a vencedora na consulta eleitoral para a Direção da ECO-UFRJ

 

Com 590 votos (89,58% do total), a Chapa 1, composta pelas professoras Suzy dos Santos (foto ao lado) e Marta Pinheiro, venceu a consulta para escolher a nova Direção da Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ. Em segundo lugar ficou a Chapa 2, formada pelos professores Joaquim Welley Martins e Gabriel Collares, com 16 (8,59%). Os votos brancos totalizaram 1,83%. 

No próximo dia 4, sexta-feira, será realizada a reunião da Congregação em que ocorrerá a eleição que elegerá a/o diretor/a do próximo biênio (2019-2021). Na tradição democrática da UFRJ, a eleição nos colegiados sempre respeitou o resultado das consultas com a comunidade universitária.

Caso seja eleita pela Congregação, Suzy dos Santos, vice-diretora na gestão Ivana Bentes, permanecerá no posto que ocupa desde julho deste ano, quando Bentes assumiu a Pró-Reitoria de Extensão (PR-5). “A ECO demonstrou com muita clareza a sua unidade, em defesa da própria ECO, da democracia, dos seus valores e do seu espírito. Esta Escola tem 52 anos e uma tradição que neste momento ficou bastante explícita. No meu entendimento, é uma demonstração de que se confia em um projeto em que a atuação não é de um pessoa. Não há um poder discricionário da Direção. Nós atuamos em defesa do momento em que estamos vivendo, contra ataques externos, em defesa da graduação, da pós-graduação, da extensão, da vida de técnico-administrativos, docentes e discentes neste ambiente”, afirmou Suzy após a assinatura da ata pela Comissão Eleitoral.

Acolhimento como prioridade 

Suzy já elencou as prioridades da futura gestão. “A questão do acolhimento e do atendimento das demandas, especialmente, de saúde mental e de melhores condições de vida aqui dentro. Nós temos muito a caminhar neste sentido. Como eu disse no debate, se eu pudesse fazer só uma promessa de campanha, eu diria que nós temos que ter pelo menos um trocador de fraldas dentro do campus. Hoje nós não temos nenhum, enquanto temos 40, 50 mães e pais circulando aqui dentro com crianças sem espaço para trocar uma fralda", apontou. "Há muitas coisas pequenas de acolhimento que podem ser feitas. Estamos fazendo neste momento, como projeto de extensão, uma consulta à comunidade sobre situações de assédio e violência. Todo mundo no espaço de trabalho pode reproduzir violências. Então é fundamental fazer um mapeamento do tipo de situação que estamos vivendo para tentar entender por que estamos adoecendo tanto e de que maneira podemos intervir minimamente para tornar este espaço mais agradável e manter as pessoas aqui dentro”, completou a vencedora da consulta.

Respeito ao processo democrático

O professor Cristiano Santos, presidente da Comissão Eleitoral, falou sobre as dificuldades enfrentadas durante a consulta. “Eu entendo que foi um processo muito cuidadoso, muito preocupado com questões jurídicas e de riscos de judicialização. A minha condição para aceitar ser membro da Comissão Eleitoral foi a de que a consulta tivesse um regimento ancorado, tanto na legislação específica que rege os processos eletivos nas instituições de ensino superior federais, como no estatuto da UFRJ”, afirmou Santos, em referência aos requerimentos impetrados pelos representantes da Chapa 2, que foram analisados e indeferidos pela Comissão Eleitoral, após consulta à Procuradoria da UFRJ. 

“É importante que o futuro regimento eleitoral da ECO (o atual é considerado defasado) expresse que, nos processos democráticos na universidade, vale a regra de que eleição se ganha com voto. Fizemos questão de dar toda a transparência ao processo, constando, inclusive os programas das chapas para que ninguém votasse sem saber quais eram as propostas dos/as candidatos/as”, completou o presidente da Comissão Eleitoral. Para Santos, o resultado inquestionável das urnas é o indicativo de que a decisão da Congregação não deverá apresentar surpresas. “O resultado é uma vocalização muito clara e muito eloquente da comunidade acadêmica. A votação para a Chapa 1 foi muito significativa e a minha expectativa é que haja o respeito a essa decisão, já que a ECO tem uma tradição democrática muito sólida”, finalizou o presidente da Comissão Eleitoral.

Compartilhe este conteúdo